domingo, 27 de dezembro de 2009

FILME JORNADA DA ALMA


Jornada da Alma (Prendimi L'Anima)
Diretor: Roberto Faenza (2003)
Esse filme narra a história de Sabina Spielrein (Emilia Fox), jovem russa que sofre de histeria e em 1905 recebe tratamento em um hospital psiquiatrico de Zurique (Suiça). Seu médico, Carl Gustav Yung (Ian Glein), aplica no caso as teorias do mestre Sigmund Freud. A jovem Sabina tem um relacionamento amoroso com Yung. Após curar-se, ela estuda medicina e vem a ser uma das primeiras mulheres psicanalistas do mundo. Após alguns anos, ela volta à Rússia onde cria um Jardim de Infância em Moscou e apelida o lugar de Enfermaria Branca pois ali os móveis e paredes eram todos brancos, e a finalidade dessa escola  era o rápido amadurecimento crítico e analítico das crianças. A enfermaria foi fechada três anos depois pelas autoridades russas. Sabina Spielrein foi assassinada em 1942 por soldados nazistas.
Também foi feito um documentário chamado Ich hieb Sabina Spielrein (Meu nome era Sabina Spielrein), em 2002 pela diretora sueca Elizabeth Martan.

domingo, 20 de dezembro de 2009

Comemorando 33 anos da Formatura


No dia 5 de dezembro de 2009 no restaurante Copacabana, na capital gaúcha, reuniram-se os médicos formandos da ATM 76 da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, em um almoço comemorativo dos seus 33 anos de formados. Foi uma linda confraternização e uma ocasião para revitalizar amizades antigas.

terça-feira, 15 de dezembro de 2009

ENTREVISTA COM MÁSSIMO MANGIALAVORI

Massimo Mangialavori entrevistado por Katka Lucka, Capri, Junho de 2007)

O máximo que você pode aprender com seus pacientes





http://www.katerinalucka.cz/news/category/interview-with-massimo-mangialavori/


Clique em traduzir...

COMBATENDO AS EPIDEMIAS

 Leia sôbre o tema  
http://www.ecomedicina.com.br/site/conteudo/tema1.asp

ENTREVISTA COM O HOMEOPATA PAULO ROSENBAUM


http://www.ecomedicina.com.br/site/conteudo/entrevista2.asp

Homeopatia para formigas

Assentados aprendem a controlar formigas com homeopatia

Professor Francisco Câmara ensina preparo de homeopatia

Cleonildes Batista, 48 anos, moradora do assentamento Zumbi dos Palmares, não imaginava que fosse possível combater formigas com um produto feito de... formigas! Ela descobriu isso no Dia de Campo sobre uso de Homeopatia no Controle de Insetos, realizado pelo Itesp, em Iaras, no último dia 13 de abril, em parceria com a Unesp de Botucatu. Participaram do evento técnicos do Itesp e produtores rurais assentados das regiões de Sorocaba, Araras e Itapeva.
O professor Francisco Luiz Araújo Câmara, da Faculdade de Ciências Agronômicas da Unesp, fez uma exposição sobre os usos da homeopatia na agricultura e ensinou, passo a passo, como se faz o nosódio, nome técnico do preparado homeopático. Em resumo, são macerados de 10 a 12 insetos numa solução de glicerina, álcool 70% e água (em partes iguais de 5 ml). No preparo, não pode ser utilizado nenhum utensílio ou recipiente de metal.
Essa mistura deve descansar por 48 horas em um armário de madeira, sem iluminação e distante de aparelhos elétricos. Depois disso, 3 gotas do medicamento são diluídas em 10 ml de álcool, em um vidro escuro, que passa por um processo chamado dinamização, em que a solução é agitada de uma forma especial, batendo-se com o vidro na palma da mão por cem vezes. As diluições e dinamizações ocorrem sucessivas vezes. No caso de Iaras, será usado o preparado C15, ou seja, com 15 dinamizações.
Segundo Francisco Câmara, após a 12a dinamização, não sobra nenhum resquício do material biológico usado. O que produz efeito na homeopatia seria a energia desse material, transmitida nas sucessivas diluições pela "memória da água".
Embora esses conceitos da homeopatia possam parecer estranhos, a eficácia é comprovada. "Quando pulverizamos esse produto na lavoura e nos formigueiros, as formigas recebem uma informação de que alguma coisa está errada e ficam reclusas", explica Câmara.
Ecologicamente correta, a homeopatia não extermina completamente as formigas. Como deixam de sair para cortar folhas, elas morrem por falta de alimento. Apenas um número de formigas suficiente para manter a rainha viva permanece em atividade. "Com isso, nós levamos as formigas a um nível de equilíbrio ecológico com o meio ambiente".
A técnica foi levada pelo professor da Unesp à Guiana, onde a infestação de formigas cortadeiras trazia sérios prejuízos à produção de mandioca. Poucos dias após a aplicação do medicamento, as formigas haviam cessado o corte de folhas.

Entusiasmada, Cleonildes levou para casa o nosódio preparado no curso. Ela própria fará as dinamizações em casa. "A gente gasta muito dinheiro com veneno e as formigas sempre voltam depois de alguns dias. Estou botando fé que a homeopatia vai dar certo. Quero fazer até pra barata".

Notícia veiculada em 26/04/2005 pela Secretaria da Justiça e Defesa da Cidadania do Governo do Estado de São Paulo.

segunda-feira, 30 de novembro de 2009

Saúde em gotas

Para quem gosta de ler sôbre Saúde e Homeopatia, recomendo os blogs Saúde em Gotas e Vida longa com saúde.
 http://saudemgotas.blogspot.com/
http://vidalongacomsaude.blogspot.com/,

quarta-feira, 18 de novembro de 2009

DIA DA HOMEOPATIA Prof. Dr. José Barros da Silva

“BENTO MÜRE E O 21 DE NOVEMBRO DE 1840 DIA NACIONAL DA HOMEOPATIA

A bordo da barca Eole, chegou ao Rio de Janeiro, no dia vinte e um de novembro de 1840, Jules Benoit Müre. Francês, nascido a 4 de maio de 1809, natural de Lyon, vinha com o objetivo de fundar, no Brasil, uma colônia societária. Dr. Jules Benoit Müre, para nós “Bento Müre”, formado em Medicina pela Escola de Montpellier, tinha um passado ligado à Homeopatia. Curado que foi de um processo pulmonar pelo Conde Dr. Sebastião Des Guidi, introdutor da Homeopatia na França e discípulo de S. Hahnemann, prometera, como gratidão à cura obtida, ser um “fiel propagador da Homeopatia”. Recebido por Sua Majestade, o Imperador Pedro II, que ouviu com simpatia o seu projeto já publicado no Jornal do Comércio, partiu a seguir para Santa Catarina, chegou a Itajaí e São Francisco a fim de escolher o local melhor. Em 1° de março de 1841, chega ao Rio de Janeiro declarando ter escolhido um local à margem esquerda do São Francisco, numa vasta península com o Rio Saí, entre Paraná e Santa Catarina. Em 31 de março, no Paço do Palácio, em São Cristóvão, o Ministro do Império destacou a S.M. Imperador a importância do projeto com o local já escolhido. Por ordem do governo, foi lavrado um contrato e tomadas as providências necessárias. Todavia, a colônia do Saí resultou em fracasso e assim se ligou à história da Homeopatia no Brasil, uma vez que, neste local, foram instalados o “1° Instituto Homeopático” e a 1ª Escola Homeopática em nossa pátria.Em 10 de dezembro de 1943, os Drs. Bento Müre e Vicente José Lisboa fundaram o “Instituto Homeopático do Brasil”, abrindo neste mesmo dia o primeiro consultório, na Rua São José, 59. Deste Instituto, originou-se o IHB, fundado a 2 de julho de 1859, completando 150 anos de existência com esta denominação, em 2009.Novo colaborador se junta ao Dr. Bento Müre, o Conselheiro Dr. Domingos Azeredo Duque Estrada, que, em 1845, começou a usar sua pena em favor da Homeopatia. Em 1846, traduz o Organon de Hahnemann e expôs ao público a “Matéria Médica Pura – Conselhos Clínicos ou Prática Elementar da Homeopatia” de Bento Müre e João Vicente Martins.Em 1846, o governo de S. M. Imperador reconhece legalmente a “Escola de Medicina Homeopática”, apesar dos protestos da Academia Imperial de Medicina. Foi feita uma grande campanha contra a Escola Homeopática e o Dr. Duque Estrada faz dissidência ao Instituto Homeopático do Brasil. Apesar das lutas, muito se fez em favor da Homeopatia que, aos poucos, vai sendo levada às grandes cidades com um plano de atendimento gratuito com remédios fornecidos, também gratuitamente, pela farmácia de João Vicente Martins. Em julho de 1847, o Dr. Bento Müre foi expulso do Instituto Histórico e Geográfico. Em 4 de outubro de 1847, como conseqüência de dissidência do Dr. Duque Estrada, fundou-se a Academia Homeopática do Brasil e, em 2 de dezembro, o 1° Hospital Homeopático para Indigentes. A esta altura a Homeopatia triunfa na Bahia.Em 13 de março de 1848, o Dr. Bento Müre pede demissão do cargo de Diretor da Escola Homeopática. A demissão foi concedida, mas atendendo aos relevantes serviços prestados; considerando que foi o fundador do Instituto Homeopático do Brasil; considerando que foi o Dr. Bento Müre quem obteve do governo o reconhecimento e a legalidade de conferir certificados, assim como todas as peças oficiais que serviriam de base para o governo, o Instituto Homeopático do Brasil conferiu ao Dr. Bento Müre o título de “Benemérito Fundador da Escola Homeopática”.Realmente com a saúde abalada, o Dr. Bento Müre, pelo Jornal do Comércio, se despediu em 08 de abril de 1848. Plenamente convicto da obra que deixava no Brasil, deixou patente a sua grande admiração pela terra em que passara aquele período. Destacou o avanço da Homeopatia no Brasil, dando-lhe uma importância maior, comparando o seu progresso com 50 anos de Homeopatia na Europa. Defendeu a tese de que a Homeopatia deve ser ensinada numa “Escola de Homeopatas”. Pelo Jornal do Comércio de 09 de abril de 1848, o Dr. João Vicente Martins com o seu – “Adeus, meu querido e mestre Bento Müre”, apresenta às despedidas uma saudação eloqüente. Assim, no dia 13 de abril a bordo da barca francesa “GIRANDE”, o Dr. Bento Müre partia do Brasil para nunca mais voltar, deixando uma lacuna que segundo o Prof. Emydio Rodrigues Galhardo, só veio a ser preenchida em 1912, pelo Dr. Licínio Aphanásio Cardoso, depois dos trabalhos preparatórios dos Drs. Saturnino Soares de Meirelles e Joaquim Murtinho. João Vicente Martins foi o continuador de Bento Müre e manteve sua obra até Licínio Cardoso. Em 23 de outubro de 1851, O Instituto Homeopático do Brasil, sob a presidência de João Vicente Martins, informou que o Dr. Bento Müre não mais voltaria ao Brasil e assim lhe foi conferido o título de “PRESIDENTE PERPÉTUO FUNDADOR”, pelos relevantes serviços prestados à Homeopatia.Voltando à França, em 1848, permaneceu em seu trabalho, seguindo em 1852, para o Egito, onde introduziu a Homeopatia. Ganhou as margens do Rio Nilo e ao tentar fundar a colônia às margens do Rio Branco, sofreu um atentado de morte. Emprega a Homeopatia numa epidemia de desinteria que se propaga no Sudão. Em 1854, volta à Europa e funda, em Gênova, um “Instituto Homeopático”, sofre perseguição e volta a Lyon, depois Marselha, onde recebe um convite para fundar a Escola Homeopática, no Egito. Em Alexandria, reune 50 interessados no curso, vai ao Cairo e aí falece, no dia 04 de março de 1858, com apenas 49 anos de idade. Reverenciamos, assim, sua memória como um grande Benemérito e Fundador da Homeopatia no Brasil; consagrando o Dia Vinte e Um de Novembro como o Dia Nacional da Homeopatia, em cumprimento a uma decisão tomada no 7° Congresso Brasileiro de Homeopatia.

VINTE E UM DE NOVEMBRO – DIA DA HOMEOPATIA

Vinte e Um de Novembro, uma data, mais um dia
Um registro importante na História da Homeopatia
É regada a semente já plantada, conhecida
Já trazida pelo vento que a verdade conduziu
Para dar frutos em nova terra, reflorescer no Brasil...

Vinte e Um de Novembro, chega alguém numa missão
Que não logra o seu intento. Seu nome é Julio e Bento
E faz eterno o momento, o instante que aqui passou
Pouco mais de sete anos, trabalhando sem cessar
Deixou seu nome pra sempre mesmo tendo que voltar...

Veio regar a semente, a notícia que corria
Do povo à boca pequena na difícil informação
Tão distante o Velho Mundo, falava-se das maravilhas
Dos feitos de um Samuel e o Brasil já percebia
Preparava o seu papel para receber a Homeopatia
Pouco após a Independência, outro método da Ciência
A governar a saúde, na luta pela existência...

E a Homeopatia raiava, já falada, comentada
Impedida, reprimida, criticada pra não “ser”
Pra sucumbir no descrédito mesmo antes de nascer
E talvez como castigo Emilio Jahn faz marcar
Ao defender uma tese, numa atitude antipática
Faz seu doutoramento na Doutrina Homeopática...

Eis a batalha travada: revistas, comentários, jornais
Os nomes de Duque Estrada e João Vicente Martins
E disputa-se em primasia a luta com os mesmos fins
Fala a história outros nomes: Drevon, Emilio Germon
Thomaz Cochrane,Souto Amaral, e a Vinte e Um de Novembro
Da Europa Meridional, chega alguém e marca uma data
Já vindo doutras andanças, dá vida, nova esperança
E recordando um compromisso pela cura conseguida
Quando salvou a própria vida, empregando a Homeopatia...

E foi todo reconhecido, cumprindo sua promessa
Foi glória da Homeopatia, suas virtudes exalta
E aqui recordou Paris, Palermo, Sicília e Malta
Fundador de Dispensários foi fiel propagador
Dela fez proselitismo, foi seu lídimo professor
Foi pioneiro no ensino, criando a primeira escola
O primeiro instituto, trabalhando sem igual
Uma importância grandiosa na instituição social.

Jules Benoit Müre. Para nós, tão simplesmente
Bento Müre, o introdutor, o pioneiro valente em missão especial
Um fundador de colônias de um projeto industrial
Em busca de nova terra, em Sahy faz seu quartel
E das margens do São Francisco faz brotar nova expressão
Na razão de sua vinda reencontra a Homeopatia
E de lá, de volta ao Rio, desfralda a sua bandeira
Cria escola, traça o rumo, lança a pedra pioneira
Desenvolve, dá início sem medir seu sacrifício
Não liga para os ataques, emprega toda energia
Dá combate até o fim, da luta jamais fugiu
E glorioso como um César: VINI, VIDI, VINCI, repetiu...

E foi embora pra sempre e ao sair profetizou
Seu nome ficou gravado e nunca mais foi esquecido
E mais de um século foi passado e recebe consagração
Num Congresso Brasileiro, no sétimo, foi aprovado
Numa atitude simpática da Liga Homeopática
Lá do Sul por onde andou, por proposta, em moção
Relembrando em gratidão, consagrando em grande dia
A data em que aqui chegou –
O Vinte e Um de Novembro O Dia da Homeopatia.


O Prof. José Barros foi figura ativa no ensino e defesa da Homeopatia e membro do IHB. O estimado professor faleceu no dia 15 de maio de 2006.
http://www.ihb.org.br/interna.asp?p=saladeimprensa&oI=1&idA=11

terça-feira, 10 de novembro de 2009

O amor como Caminho Espiritual - Lama Padma Samten



Palestra: "O Amor como Caminho Espiritual"


Sexta, 13/11, 20h com o Lama Padma Samten
Local: AMRIGS, Av. Ipiranga, 5311, Porto Alegre-RS
Informações: portoalegre@cebb.org.br (Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo). ou (51) 9347-2767

Contribuição sugerida: R$15,00

" Entre os seres humanos, a felicidade ocorre em ciclos e o amor é uma das principais portas de entrada para esta experiência. Aqueles que conseguem manter a lucidez e a sabedoria quando estão em meio à magia de processos ilusórios, como a paixão, avançam muito no caminho espiritual. Assim, quando estivermos vivendo uma experiência de felicidade, devemos nos sentir ainda mais motivados a praticar Amor, Compaixão, Alegria e Equanimidade por todos os seres." (Lama Padma Samten)

Clinica do Dr. Rajan Sankaran


                                                         http://www.sankaransclinic.com/

Interhomeopathy - o jornal do Dr. Scholten



Interhomeopathy é um jornal internacional na internet, para a promoção da homeopatia. Este jornal contém as mais avançadas contribuições para o estudo da homeopatia e foi fundado pelos drs. Jan Scholten, Lou Klein e Ulrich Welte.
http://www.interhomeopathy.org/index.php 

sexta-feira, 30 de outubro de 2009

Congresso do Museu Abrahão Brickmann




IV CONGRESSO DO MUSEU ABRAHÃO BRICKMANN

20 e 21 de novembro de 2009
UM CONGRESSO ABERTO A QUALQUER INTERESSADO,
INDEPENDENTE DA PROFISSÃO
No ano da França no Brasil vamos comemorar em programação conjunta com a Aliança Francesa de Ribeirão Preto, a chegada do médico francês Benoît Mure que aqui aportou em 21 de novembro 1840 para implantar a Homeopatia
Local: Hotel Nacional - Duque de Caxias, 1313
PROGRAMA
20/11 – sexta feira

19h - Abertura oficial – Coordenador – Aloísio C. de Carvalho
Homenagem a Moura Ribeiro
Inauguração da Exposição do Museu de Homeopatia
Palestra: O forte laço Brasil-França no campo da Homeopatia - Juliana Santos.

Apresentação de músicas francesas e brasileiras interpretadas por Izao Soares acompanhado por Evandro Navarro ao violão. Brasileira: Onde o céu azul é mais azul, Francesa: Sous le ciel de Paris
Coquetel
SALA 1
21/11 – sábado – coordenadora: Silvana Mantovani
8.30-9.45h - Palestra - EVOLUÇÃO DO VITALISMO / Diniz da Gama
Intervalo – 9.45-10.15h
10.15-11.30.h – Palestra - O PRINCÍPIO VITAL NO HUMANO / Nelson Carboni
tarde – coordenadora – Fátima Cabana Marchi
14-15.15h – Palestra - AS MARCAS DA PAIXÃO DO CRISTO SEGUNDO O PRINCÍPIO VITAL / Renan Marino
intervalo – 15.15 – 15.45h
15.45 -18h – Mesa redonda – A IMPORTÂNCIA DO VITALISMO NO MUNDO ATUAL
18h - Soirée a cargo de Aliança Francesa de Ribeirão Preto
SALA 2
Manhã – coordenador – Izao C. Soares
8.30h: Apresentação e discussão de documentário do Museu: sobre Hahnemann, seu casamento com a francesa Mélanie e a difusão da Homeopatia para o mundo a partir de Paris
Homeopatia no Brasil.. Monteiro Lobato e a Homeopatia
11.30h - Homenagem ao médico Ribeirãopretano – Dr.MOURA RIBEIRO, recentemente falecido.
Tarde – coordenadora – Andresa Berretta
14h - A farmácia homeopática / Silvana Mantovani
A Homeopatia e os animais domésticos / Talita Nader
A Homeopatia e o dentista / Silvana Gabarra
Homeopatia no lar: Importância dos sintomas. A febre / Izao Carneiro Soares
18h - Soirée a cargo de Aliança Francesa de Ribeirão Preto

Informações e inscrições: 3636 5065/3636 8889 – museuab@lamasson.com.br
http://www.lamasson.com.br/

segunda-feira, 26 de outubro de 2009

MUSEU DE HOMEOPATIA ABRAHÃO BRICKMANN





Faça uma visita virtual ao Museu de Homeopatia Abrahão Brickmann
http://sites.netsite.com.br/lamasson/museu/museu/index.htm



Imagens: jardins do museu e abaixo gorro de Hahnemann.

sábado, 24 de outubro de 2009

Importantes (grandes) epidemias da História


Apresentação de Eduardo S. P. Maranhão, médico especializado em clínica médica (médico de Saúde da Família), epidemiologista, sanitarista do Departamento de epidemiologia e métodos quantitativos em saúde da Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca da Fiocruz. Material discutido na Pós Gradução Strictu Sensu da Casa de Oswaldo Cruz - Fiocruz, na disciplina Historia de Doenças, em 2006. Em virtude das condições sanitárias das cidades e do desconhecimento da etiologia das doenças infecciosas, grandes epidemias que aconteceram no passado, dizimando populações, limitando o crescimento demográfico, e mudando muitas vezes o curso da história. Tais epidemias foram genericamente rotuladas como 'pestes'.

http://www4.ensp.fiocruz.br/biblioteca/home/exibedetalhesBiblioteca.cfm?ID=8070&tipo=B

sexta-feira, 23 de outubro de 2009

REVISTA BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO MÉDICA


http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_serial&pid=0100-5502&lng=pt&nrm=iso

Composto homeopático contra o vírus Influenza A



          Preocupado com o número de pessoas internadas, em hospitais da região, com a gripe A H1N1, conhecida como a gripe suína, o médico, pesquisador e professor da Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto, Famerp, Renan Marino, desenvolveu o Composto Homeopático Anti-Gripe A.

O medicamento foi registrado no Instituto Nacional de Patentes e Invenções e está sendo usado em São José do Rio Preto como medida de prevenção da nova gripe.
 De acordo com o pesquisador, o composto também auxilia no tratamento da doença e é considerado como curativo. “Disponibilizamos o medicamento há um mês e o recomendamos para os profissionais da área da saúde e familiares e pacientes no geral. Até o momento, foram administradas mais de 1.000 doses. Das pessoas medicadas nenhuma apresentou os sintomas da gripe”, afirma.
Segundo o médico, o remédio não tem contra indicações e pode ser comprado, com receita médica.
          De acordo com Marino, o Anti-Gripe A é composto pela associação dos medicamentos homeopáticos Influenzinum, Gelsemium e Ipecacuanha. O princípio ativo Ipecacuanha é o mais importante e identificado como gênio epidêmico da pandemia da Influenza A H1N1. “Vale ressaltarmos que em Estados como o Mato Grosso do Sul e Rio de Janeiro estão sendo usados medicamentos homeopáticos com ação parcial ou insuficiente, pois não contêm o Ipecacuanha. O remédio só é eficaz quando composto por esse princípio ativo”, diz.
          O Ipecacuanha ou Ipeca corresponde a uma planta nativa do centro-oeste brasileiro, que teve a sua experimentação patogenética realizada em 1805 por Hahnemann, criador do método terapêutico homeopático.

Saiba mais sobre o trabalho de Renan Marinho: http://www.feg.unesp.br/~ojs/index.php/ijhdr/article/view/354/399http://www.feg.unesp.br/~ojs/index.php/ijhdr/article/vie

quinta-feira, 22 de outubro de 2009

Pioneiros da homeopatia - Dr. Israel Rodrigues Barcellos Filho - Porto Alegre 1845-1923


Homenagem aos homeopatas do Estado.

O Dr. Israel Rodrigues Barcellos Filho, médico homeopata, nasceu na cidade de Porto Alegre em 6 de fevereiro de 1845, e faleceu nesta mesma cidade, em primeiro de setembro de 1923.
Era filho do Dr. Israel Rodrigues Barcellos e de sua esposa Dona Maria Josepha Pinto Bandeira Freire. Por parte paterna, descendia da antiga família pelotense do Comendador Boaventura Barcellos, Barão de Itapitocai, este também médico de renome, na cidade de Pelotas.
Por parte materna era neto do Cel. Vicente da Silva Freire e bisneto do Brigadeiro Raphael Pinto Bandeira.
O Dr. Barcellos Filho, foi casado com Dona Maria Luiza Fernandes, sem que houvesse filhos do casal.
Com 9 anos de idade, seguiu êle para Minas Gerais, onde frequentou o célebre Colégio do Caraca, sob a direção dos padres Jesuítas. Ali se conservou, até terminar o curso, sem jamais vir ao sul, em visita à família; o que só fez quando trazia o seu diploma de bacharel.
Seguindo para o Rio de Janeiro, matriculou-se na Faculdade de Medicina, onde formou-se em 1870, havendo feito todo o curso com destaque.
Era costume naquele tempo, o diretor da Faculdade, escolher os doutorandos que deveriam defender tese na presença de sua Magestade D. PedroII Imperador do Brasil.
O Dr. Barcellos Filho, foi merecedor desta honra, fazendo parte do grupo composto dos melhores alunos; aqueles que se haviam distinguido em todo o curso.
Foi durante muitos anos, Provedor da Santa Casa de Misericórdia, tendo ali uma enfermaria a seu cargo.Foi diretor da Higiene, hoje Departamento Estadual de Saúde.
Fonte: Boletim de Homeopatia, junho 1953- Orgão oficial da Liga Homeopática do Rio Grande do Sul.
Redação: Av. Otavio Rocha 116.

terça-feira, 20 de outubro de 2009

Gripe A


GRIPE A
Corre-corre no Sara Cura
PATRÍCIA LOSS
IMAGEM Farmacêutica Sílvia com um frasco de Influenzium

O ditado popular “Se não fizer bem, mal também não vai fazer” está sendo usado pelos cachoeirenses para justificar suas apostas na homeopatia para se prevenirem da gripe A (H1N1). Mesmo o Ministério da Saúde informando que não há remédio para evitar a contaminação pela doença, depois que a médica homeopata Glaci Loureiro, de Porto Alegre, postou em sua página na internet que há um composto natural que previne gripe A, a farmácia de manipulação Sara Cura já vendeu todo o seu estoque de Influenzium. O medicamento está sendo chamado na cidade de gotinhas milagrosas e custa R$ 10,00 o frasco.
A farmacêutica da Sara Cura, Sílvia Andrade, afirma que nas duas últimas semanas foram vendidos em média 50 frascos do medicamento por dia, totalizando mais de 500 vidros. O novo lote deve chegar à farmácia na manhã deste sábado. Por ser homeopatia, o remédio é vendido sem receita na Sara Cura. Além de gotas, o Influenzium vai chegar à farmácia também em forma de comprimidos. A indicação da médica Glaci é de que as gotinhas milagrosas sejam tomadas até o final da pandemia de gripe A. Ela destaca que o medicamento é preventivo e começa a fazer efeito já na primeira dose.
Impresso no site do Jornal do Povo
http://www.jornaldopovo.com.br/2007/noticia_detalhe_print.php?intIdConteudo=116724&intIdEdicao=1998
Todos os direitos reservados - Copyright 1999- 2009, Jornal do Povo
Desenvolvido por Brivia

Unimed Porto Alegre - Dia do Médico




Foi comemorado ontem no Teatro do Bourbon Country, em Porto Alegre o dia do médico. Esse evento contou com a presença de muitos médicos que foram homenageados pela Unimed com um coquetel após o lançamento do IBE, índice de bem estar, uma pesquisa inovadora desenvolvida especialmente para a realidade brasileira, com a qual a Unimed Porto Alegre brinda a cidade.
Fotos: Glaci Loureiro, Balduíno Tschiedel e Clarice Cunha, colegas da UFRGS.

Curso de extensão História das Doenças - Módulo I: Epidemia



O Museu de História de Medicina do RS e o Curso de História da PUCRS realizam de 20 a 22 de outubro das 19h às 21h30min o curso de extensão História das Doenças - Módulo I: Epidemia. As inscrições são gratuitas e devem ser feitas no local - o Auditório do Prédio 5 da PUCRS - até 30 minutos antes de cada atividade. A iniciativa vale como atividade complementar de 10h e tem o apoio do PPGH–PUCRS, da FAMED-PUCRS, do Sindicato Médico do RS (SIMERS) e Associação Gaúcha de História da Medicina.
PROGRAMA:
20/10/09
►História das Epidemias no Brasil – Dra. Dilene Raymundo do Nascimento (FIOCRUZ)
►Sistema de Saúde no Brasil – A questão da saúde coletiva – Dr. Natan Estivallet (PUCRS)
21/10/09
►A Gripe Espanhola em Porto Alegre - 1918 – Dra. Janete Abrão (PUCRS)
►Saúde, política e história: possibilidades de abordagem por intermédio de fontes primárias – Dra. Rejane Penna (Arquivo Histórico do RS)
22/10/09
►Representações sobre a doença e a morte – Dra. Adriane Roso (UFSM)
►Doenças e serviços de saúde pública no século XIX – Dr. Francisco Carlos Jacinto Barbosa (UECE)
Promoção: Curso de História – PUCRS, Museu de História de Medicina do RS, Período: 20 a 22 de outubro, Horário: 19h às 21h30min, Local: Auditório Prédio 5 – PUCRS, Av. Ipiranga, 6681 – Partenon - Porto Alegre
Inscrições: no Local – até 30 minutos antes de cada atividade - Vagas Limitadas
Apoio: PPGH–PUCRS, FAMED-PUCRS, Sindicato Médico – RS e Associação Gaúcha de História da Medicina
VÁLIDO COMO ATIVIDADE COMPLEMENTAR - 10 HORAS

segunda-feira, 19 de outubro de 2009

Parágrafo 133 - Flora Dabbah


          Hahnemann pedia a seus experimentadores que anotassem as particularidades dos sintomas, já que são elas as que descobrem o que há neles de peculiar e característico. Se os repassarmos às patogenesias, observaremos que os conselhos de Hahnemann aos experimentadores, renderam excelentes resultados. Com efeito, os sintomas estão ali modalizados, já que os experimentadores anotaram as variantes produzidas por horários, movimentos, clima, ocupações, posição, funções orgânicas etc. Deste modo, as patogenesias nos provêem de numerosos dados sobre a mudança que a substancia produziu no humor e no rendimento intelectual dos experimentadores. Hahnemann não lhes deixava livre o critério e o que tinham de observar, como estabelecem as indicações precisas do parágrafo 133. Porque ele havia refletido longamente sobre as influências que afetam a força vital ( A medicina da experiência).
          Naturalmente, isto se vê nas patogenesias e, portanto, nos repertórios. No repertório de Barthel, figuram 7823 sintomas mentais. Uns 350 ou 400 são sintomas mentais comuns. Entre estes, estão os que representam os aspectos de caráter - uns 50 - e são os sintomas mentais comuns que tem invadido nossas repertorizações. O resto, - uns 7500 - são sintomas com distintos graus de caracterização. Durante anos, eu quase desdenhei esses 7500 sintomas característicos, os 7500 sintomas mais importantes do Repertório.
          Esses sintomas, falam do Humor, o Humor é a vida, o aparelho para viver. Os estados de ânimo são o destino do homem, e são variáveis e frágeis como nenhuma outra coisa. Sim, o homem muda seu estado de ânimo permanentemente. Não há tristeza que não passe, ira que não se dissolva, ansiedade que não se acalme, medo que não desapareça, pranto que não cesse, excitação que não se dilua, melancolia que não se converta em passado. O estado de ânimo pode se fortalecer hoje e cair amanhã.
          Qualquer circunstância pode modificar nosso estado de ânimo. A ansiedade, a excitação e a depressão - com sua enorme gama de matizes - se sucedem continuamente. Basta estar um momento com uma pessoa que nos desagrade, ou que o tempo esteja muito quente, ou que soe alto uma buzina de um carro, ou que a porta esteja fechada, ou que a música seja medíocre, ou que o chá esteja frio. Basta não poder comprar o livro, ou não achar o sal, ou as tijelas. Basta acender um cigarro ao contrário, para que nosso ânimo mude completamente.
          Nosso ânimo depende também de estímulos internos: basta uma má recordação, uma modificação, uma conversa áspera, um insucesso do passado recente ou remoto, um contratempo fútil que recordamos, para que se arruíne o nosso humor. Afortunadamente, temos um seguro contra os estados de ânimo indesejáveis: a inconsistência de nosso humor, a facilidade de passar do mau humor à indiferença, da tristeza à excitação, do medo à cólera.Somos feitos dessa maneira.
          Esta variabilidade de ânimo, é o que podemos chamar de normal. Quando um estado de ânimo aparece sempre na mesma circunstância, chama a atenção. Chama atenção que um homem se sinta deprimido todos os meio-dias, ou quando transpira. O normal, é que hoje se deprima ao meio dia, amanhã quando transpira, ontem enquanto caminhava, no dia seguinte estando só e, em outro momento, após urinar.
          O extraordinário é que o homem se deprima sempre nas mesmas circunstâncias, pelo que esta circunstância passa a constituir-se no que caracteriza essa depressão. E então, podemos considerar essa depressão como sintoma, como manifestação de desajuste. Essa depressão é o que chamamos de um sintoma mental característico (ou modalizado).
           Não melhoraria sensivelmente nossa prática, se seguíssemos as indicações de Hahnemann a seus experimentadores? Não encontraríamos mais frequentemente o simillimum, se tratássemos de obter de nossos pacientes os sintomas mentais característicos, para poder compará-los com o que anotavam os experimentadores? Por que seguimos insistindo em repertorizar, em considerar sintomas mentais comuns, como prática habitual?

Ref: Flora Dabbah O Sintoma característico - Grupo de Estudos Homeopáticos James Tyler Kent. RJ 1990 p. 15-16. http://www.ihjtkent.org.br/

sábado, 17 de outubro de 2009

Médicos escritores - David Raskin



A obra de David Raskin é resultado de dez anos de pesquisa

“Prego a tolerância religiosa e a existência de um Deus único para todos os seres humanos”, antecipa. O leitor interessado em informação de qualidade terá a seu dispor explicações históricas bem fundamentadas sobre as religiões.
 
Sobre o autor

Cursou Medicina na UFRGS, com especialização em Oftalmologia, profissão que exerce há 50 anos. Autodidata, se consolidou como especialista em informar os fatos a partir da idéia inicial de encurtar distâncias entre as diferentes crenças. Nos últimos anos o principal hobby de David Raskin é a leitura e o estudo dos livros sagrados das religiões judaicas (Torá), cristã (os evangelhos) e Islâmica (Corão).

Sinopse do Livro
O trabalho de David Raskin é de suma importância para o mundo em que vivemos, tão cheio de incompreensões, todas elas fruto da falta de informação: ainda hoje há multidões que veem as três religiões monoteístas como realidades distintas e antagônicas. Raskin mostra como as três tradições bebem em uma mesma fonte, acrescentando-lhe aromas e sabores próprios. Como a História impõe, revela que inevitavelmente a tradição, como tudo, tem um começo: o judaísmo, de onde surge o que mais importa, a crença no Deus Único. Três Deuses e uma Trindade leva o leitor a uma viagem bem guiada, segura, por caminhos traçados com precisão, de onde certamente qualquer um voltará mais esclarecido e, sobretudo, com maior capacidade de ser tolerante. Obra de referência, leitura obrigatória a todos os interessados no tempo. Ali Kamel


















sexta-feira, 16 de outubro de 2009

Compartilhando Memórias - Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul


Fotos da exposição do MUHM: Acima à esquerda os médicos Glaci Loureiro,(autora deste blog) BalduinoTschiedel (endocrinologista e mestre em genética) e Ana Maria Martins(secretaria geral do Sindicato Médico) colegas da ATM 1976 UFRGS, confraternizando.
A foto à direita tem informações sobre a Escola Médico Cirúrgica de Porto Alegre que foi criada em 1915 e surgiu como um desdobramento da Faculdade de Medicina Homeopática do Grande do Sul, criada um ano antes.A foto abaixo mostra um formando da Faculdade Médico Cirúrgica sendo alvo de uma brincadeira feita pelos formandos da Faculdade de medicina que já existia na época.(clique nas fotos para aumentar)
Vale a pena visitar a exposição no Prédio Histórico do Hospital Beneficiência Portuguesa na Av. Independência, 270.

Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul MUHM



Inaugurada nesta sexta-feira (16) no Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (MUHM) para comemorar o Dia do Médico e o aniversário de 2 anos da instalação do museu na Beneficência Portuguesa (av. Independência, 270, Centro de Porto Alegre), a exposição ''Compartilhando Memórias: o MUHM e seus Doadores'' homenageia aqueles que ajudaram e continuam ajudando a compor o acervo do museu, por meio de doações de objetos, livros, fotografias e outros documentos.
Saiba mais...  http://www.muhm.org.br/

TUDO SOBRE SAÚDE Biblioteca virtual em saúde e Blog da boa saúde

Bibliomed é um dos componentes da Companhia de Internet Bibliomed, dedicada à integração dos serviços de saúde. Com sedes em 3 países (Brasil, Argentina e Estados Unidos).  O foco principal de Bibliomed é voltado para o médico e para o estudante de medicina, a quem buscamos fornecer as melhores ferramentas eletrônicas para aprendizado e melhor desempenho profissional.

http://bibliomed.uol.com.br//Index.cfm?
http://blogboasaude.zip.net/

quinta-feira, 15 de outubro de 2009

Conselhos dietéticos para portadores de artrite reumatoide

A Liga Portuguesa das Doenças Reumáticas postou em seu site alguns conselhos dietéticos para pessoas com artrite reumatoide. Como os portadores da doença normalmente estão abaixo do peso e com falta de diversos nutrientes, como acido fólico, ferro, zinco e vitaminas B6 e C, entre outros, a sugestão é uma dieta rica e variada, com proteínas, sais minerais e vitaminas. A dieta ideal inclui 140 gramas de carne ou peixe por dia e muitas frutas, verduras e legumes. A instituição também sugere que portadores de artrite reumatoide comam alimentos ricos em potássio, como verduras, laranja e banana, e em cálcio, como leite e derivados.
Outra recomendação é que os doentes que estão tomando corticoides evitem o uso de sal.

Fonte: Liga Portuguesa Contra as Doenças Reumáticas

http://www.diamundialdaar.com.br/

www.twitter.com/diamundialdaar

Pesquisa em Homeopatia e Altas Diluições



A Associação Paulista de Homeopatia e o Instituto de Cultura – Escola de Homeopatia, em um trabalho de colaboração e parceria, iniciou no dia 11 de setembro de 2009, um ciclo de Seminários sobre Pesquisa em Homeopatia e Altas Diluições, com a participação de pesquisadores de todo o país e aberto a profissionais homeopatas ou não, da área da saúde e de outras áreas do conhecimento, interessados no assunto,com participação aberta inclusive para estudantes da área da saúde e afins.

O próximo módulo será realizado no dia 07 de novembro de 2009 sábado das 9 às 18 horas

Para maiores informações, consulte o site:
http://pesquisaemhomeopatia.wordpress.com/
Um projeto de Amarilys de Toledo César e Maria Thereza C.G. do Amaral








.

quarta-feira, 14 de outubro de 2009

Nanotecnologia na luta contra o câncer



Levar drogas ao combate de câncer diretamente para as células cancerosas pode ser a esperança para evitar os efeitos colaterais debilitantes associados à quimioterapia.
O método revolucionário, anunciado por pesquisadores australianos, usa nanotecnologia, com microcélulas bem menores que uma célula humana, para atingir os tumores. A nanotecnologia é a capacidade potencial de criar coisas a partir do menor elemento, usando as técnicas e ferramentas que estão a ser desenvolvidas nos dias de hoje para colocar cada átomo e cada molécula no lugar desejado. O alcance direto das drogas de quimioterapia permitiria dosagens milhares de vezes menores do que as da terapia convencional e seriam mais facilmente toleradas pelos pacientes. Pela primeira vez há uma possibilidade real de que esta tecnologia possa levar ao uso de combinações de vários fármacos e terapias personalizadas em pacientes com câncer. Com a ajuda de anticorpos na superfície, estas células miram e se ligam às células cancerosas. Então, a nanocélula penetra no alvo e libera diretamente a droga dentro da estrutura. Graças aos anticorpos específicos para o câncer, a substância é liberada só no encontro com tumores e não em tecido saudável.

Fonte: Jornal do Brasil
http://www.crfsp.org.br/cf/revista/revista_86.pdf.

segunda-feira, 12 de outubro de 2009

JOSÉ LUIZ GUASQUE (1865-1937) HOMEOPATA EM BAGÉ RS



  JOSE LUIZ GUASQUE
Filho mais velho do homeopata Ignácio Guasque e de sua esposa Anna Luiza, nasceu em 1/11/1865, em Bagé e casou com Aniceta Correa, em Cerro Chato, Depto. de Rivera - Uruguai, em 5/02/1890, na época era guarda-livros nesta localidade.

Em 1907 temos registro que era Médico Licenciado, só podia exercer esta função aqui no Rio Grande do Sul, esta licença era fornecida pelo Governo do Estado. Neste ano funda a Farmácia Homeopatica Humanitária, sabemos pelos registros que em 1910 ele seguia com a farmácia e era catalogado como médico hahnemanniano ( seguia os ensimamentos do médico alemão, Hannehmann ).
Sabemos que participou ativamente na Revolução de 30, junto com os irmãos, numa atividade pró-Getúlio.
Teve 17 filhos com a esposa.
Faleceu em Bagé em 13 de fevereiro de 1937.

Referencia: Informação enviada pelo médico nefrologista Gerson Luis Barreto de Oliveira, tataraneto de Ignácio Guasque e bisneto de José Luiz Guasque.

IGNÁCIO GUASQUE (1835-1912) Um dos pioneiros da homeopatia no Rio Grande do Sul


IGNÁCIO GUASQUE -

Filho do jornalista espanhol José Eduardo Cipriano Berlinguero Guasque e Maria de La Cabeza Josefa Juana Terron y Hidalgo de Guasque, nascido no Rio de Janeiro em 1835, casou com a bageense Anna Luiza Romeiro Barcellos Guasque, em 8/12/1864, na Catedral de São Sebastião, em Bagé. Morreu em Castro, no Paraná, em 5/02/1912.

Sua formação provavelmente, como atestam alguns documentos, foi na Escola de Homeopatia, no Rio de Janeiro. Clinicou em Jaguarão em 1890, mesmo ano que escreve e publica, em Pelotas, o livro " Medicina Homeopathica". Logo após se muda com a maioria dos familiares para o Paraná.

De 1906 a 1907 publicou artigos na Revista Homeopathica do Paraná ( foi citado na Tese de Doutorado da Prof. Renata Palandri ), mas não estava mais clinicando, era fazendeiro na época.
A Tese de doutorado da Dra.Renata Palandri Sigolo intitulada "Em busca da Sciencia Médica a medicina homeopática no início do século XX"pode ser acessada no site:
http://dspace.c3sl.ufpr.br/dspace/bitstream/1884/8361/1/Renata[1][1].pdf

Referência: Informação enviada pelo médico nefrologista Gerson Luis Barreto de Oliveira, tataraneto de Ignácio Guasque e bisneto de seu filho José Luiz Guasque que foi homeopata em Bagé RS.

FRANCISCO DE ASSIS (1181-1226) - CÂNTICO DO IRMÃO SOL OU DAS CRIATURAS



Louvado seja Deus na natureza,
Mãe gloriosa e bela da Beleza,
E com todas as suas criaturas:
Pelo irmão senhor Sol, o mais bondoso
E glorioso irmão pelas alturas,
O verdadeiro, o belo, que alumia
Criando a pura glória – a luz do dia!

Louvado seja pelas irmãs Estrelas,
Pela irmã Lua que derrama o luar,
Belas, claras irmãs silenciosas
E luminosas, e suspensas no ar.

Louvado seja pela irmã Nuvem que há-de
Dar-nos a fina chuva que consola;
Pelo Céu azul e pela Tempestade;
Pelo irmão Vento, que rebrame e rola.

Louvado seja pela preciosa,
Bondosa água, irmã útil e bela,
Que brota humilde, é casta e se oferece
A todo o que apetece o gosto dela.

Louvado seja pela maravilha
Que rebrilha no Lume, o irmão ardente,
Tão forte, que amanhece a noite escura,
E tão amável que alumia a gente.

Louvado seja pelos que passaram
Os tormentos do mundo dolorosos,
E, contentes, sorrindo, perdoaram;
Pela alegria dos que trabalharam,
Pela morte serena dos bondosos.

Louvado seja Deus na mãe querida,
A natureza, que fez bela e forte:
Louvado seja pela irmã Vida,
Louvado seja pela irmã Morte.

12 de outubro Dia Mundial de Conscientização sobre a Artrite Reumatóide

Doze de outubro é o Dia Mundial de Conscientização sobre Artrite Reumatoide. Há quatro anos, a Sociedade Brasileira de Reumatologia, em parceria com a Farmacêutica Roche, promove nesse dia diversas ações com o objetivo de oferecer à população esclarecimentos sobre os danos causados pela doença, destacando a importância do diagnóstico precoce, do tratamento adequado e do acompanhamento médico.
Em 2009, o evento será realizado simultaneamente em seis cidades brasileiras (Florianópolis, Vitória, Petrópolis, Fortaleza, Brasília e Belo Horizonte). Embora tenham o ponto alto no dia 12 de outubro, atividades com grupos de pacientes, como oficinas, palestras, caminhadas e reuniões, são realizadas o ano inteiro em diversos estados do país. O objetivo é mostrar ao portador da artrite reumatoide que é possível levar uma vida o mais normal possível, apesar das limitações ocasionadas pela doença.
Você poderá acompanhar a cobertura das ações que serão realizadas nas cidades brasileiras onde a campanha ocorrerá. Veja abaixo onde estarão as tendas com os monitores e médicos na data do evento:

Belo Horizonte: Praça JK
Brasília: Parque da Cidade
Fortaleza: Avenida Beira Mar
Petrópolis: Praça da Liberdade
Vitória: Praça dos Namorados
Florianópolis: Avenida Beira Mar Norte
A iniciativa da campanha pelo Dia Mundial de Conscientização sobre a Artrite Reumatóide é fruto de uma parceria da SBR – Sociedade Brasileira de Reumatologia e da farmacêutica Roche e conta com a participação das sociedades locais de reumatologia e associações de pacientes.
Além de solucionar dúvidas com especialistas, a população das seis cidades receberá material informativo e participará de oficinas de origami. Essa atividade com dobradura de papel será oferecida para mostrar que, mesmo sendo possível controlar a doença e oferecer aos pacientes uma boa qualidade de vida, os portadores da artrite encontram dificuldades para realizar movimentos que exigem esforço das articulações.

Participe do Dia Mundial de Conscientização sobre a Artrite Reumatoide e distribua o endereço do blog para a sua rede de contatos: http://www.diamundialdaar.com.br/

Foi criado  um canal no Twitter para discutir o assunto também neste ambiente. O endereço é: www.twitter.com/diamundialdaar.

domingo, 11 de outubro de 2009

A verdade de Samuel Hahnemann



"Quanto mais palpavél é uma verdade, mais tempo ela requer para conquistar o lugar a que tem direito. Os obstáculos que se colocam no caminho, são porque essa verdade desencadeia em torno de si um verdadeiro ódio, pois esta, anuncia uma revolução, uma perturbação dos interesses existentes e dos lugares conquistados..."

Christian Friedrich Samuel Hahnemann

Neem do norte e a Diabetes





NIM DO NORTE

NIM e a Diabetes
Neem - Este é um dos remédios mais comumente disponíveis natural para o diabetes em quase todos os lares. Botanicamente conhecida como indica Azadiracta, nim pode ser utilizado no tratamento de cada tipo de diabetes. Na diabetes tipo 1, que ajuda no rejuvenescimento do pâncreas, ajudando assim a reduzir o consumo de insulina. No caso de diabetes não-insulino dependente, nim é extremamente útil para manter os níveis de glicose no sangue e também ajuda o organismo a se tornar sensível à insulina.

RENAN MARINO - Pandemias de gripe: profilaxia homeopatica e a definição de genio epidemico

http://www.feg.unesp.br/~ojs/index.php/ijhdr/article/view/354/399http://www.feg.unesp.br/~ojs/index.php/ijhdr/article/vie

segunda-feira, 21 de setembro de 2009

HURA BRASILIENSIS


CARACTERÍSTICAS DA HURA BRASILIENSIS

SINÔNIMO: Hura Crepitans
NOME POPULAR: Assacú, arriero, assacuzeiro, massacu.
ORDEM NATURAL: Euphorbiáceas.
HABITAT: Zonas Equatoriais da América do Sul. Floresta Amazônica do Brasil e do Perú.
PREPARAÇÃO: Tintura do suco leitoso da planta.
PATOGENESIA: Realizada por Benoit Mure, em 1842, com quatro experimentadores que tomaram uma gota da diluição 5CH. Foram achados 870 sintomas patogenéticos.Esse estudo foi publicado em "Doctrine de l'Ecole de Rio de Janeiro et Pathogénésie Bresilienne" em 1949, em francês e contém os 870 sintomas dispostos em sucessão cronológica e divididos por experimentador. A tradução ao ingles, se encontra na Enciclopédia de Matéria Médica Pura de Allen. Também se encontra em Clarke, Boeriche e nos principais repertórios.
CARACTERÍSTICAS DA PLANTA: Árvore de uns 40 centímetros de altura. Tronco liso e de cor parda, com espinhas curtas muito características, duras e cônicas. Tem uma flor feminina, de cor vermelho escuro, sem pétalas e com um longo pedículo; e flores masculinas em espigas. O fruto é uma cápsula redonda e achatada de 6-9 cm. de diametro, que quando seca, explode violentamente e joga as sementes a longa distancia. A floração é entre maio e junho, e o fruto se produz entre junho e julho.
A planta produz látex ao serem retirados as flores, folhas ou frutos. A esse suco leitoso, os índios brasileiros chamam "assacú". As sementes e o leite são venenosos para o ser humano.
O látex é muito irritante para as mucosas. Provoca por contato, oftalmia intensa, e na boca, uma forte ardência.
USOS POPULARES: O látex se utilizava para tontear os peixes na pesca.
A infusão das flores masculinas se utilizavam para os furúnculos.
As folhas trituradas com água se aplicam nos reumatismos.
O látex é um poderoso antihelmíntico que precisa ser utilizado com muita cautela.
A semente crua é um purgante drástico e venenoso.A semente assada perde suas propriedades venenosas e pode ser consumida.
Era utilizada no Brasil contra a Lepra, porém seu uso é muito perigoso e de uso duvidoso.
TROPISMO:
PELE
MUCOSAS sobretudo respiratória, digestiva e conjuntival.
COLUNA VERTEBRAL(especialmente lombo sacra) MEDULA ESPINHAL E RAMIFICAÇÕES.
MENTE

NOTAS DE ESTUDO

DIDIER GRANDGEORGE:
Quando há luto pele morte de crianças na família, o sofrimento é terrível é às vezes oculto. O remédio que corresponde então, é Hura brasiliense, um látex brasileiro. Os sintomas físicos do sofrimento se expressam nas extremidades, como ocorre na artrite reumatóide na qual o sangue dos enfermos tem a propriedade de coagular o látex.As pessoas que necessitam Hura brasiliense amam com um "amor elástico" que distancia e aproxima a pessoa amada.Se o elástico rompe, aparece o drama. A morte de uma criança é vivida então como uma ruptura do amor fusional e o sofrimento se traduz a nível de todas as fibras elásticas do corpo, como podem ser as articulações.
Este remédio também é conhecido por ser útil para curar a lepra, uma doença que separa os afetados do grupo e constitui uma escapatória para as pessoas que estão aprisionadas em um amor fusional indestrutível.
Uma vez excluidos da comunidade por sua doença, separam-se dos pais e podem fazer sua vida.O vitiligo é frequentemente um estigma benigno das situações familiares nas quais, depois de um luto pela morte de uma criança, uma pessoa une os envolvidos em um amor fusional; nestes casos também podemos pensar em Hura brasiliensis.

RAJAN SANKARAN
Hura tem características que a situam entre os miasmas sifilítico e tuberculínico.Este é o miasma leproso. É parecido ao tuberculinismo, só que muito pior. A atividade é intensa, rápida e progressiva com grande poder de destruição, há pouca esperança.
Em termos patológicos há tres variedades de lepra: a tuberculóide, que apesar de ser progressiva tem melhor prognóstico que as outras;há esperança.
No outro extremo, está a lepra lepromatosa: progride ràpidamente e é destrutiva (parecida com a sífilis).
O tipo intermediário está entre as duas.
A lepra como a tuberculose está crescendo na Índia, há um sentimento de opressão e uma profunda desesperança com desejos de mudança.
Estudando os sintomas de Hura, vi que se concentram ao redor de um sentimento de abandono, com a ilusão específica de que está próxima a perder a seus amigos e que seus amigos perderam o afeto por ele. Se sente como uma ruína.Tem a sensação de sentir-se desafortunado, já que perdeu  seus amigos e todos começaram a odia-lo.
Tem a rúbrica "desespera de recuperar-se", que significa que para ele é difícil recuperar sua posição original; por isso há tristeza e depressão mental.Se encontra frustrado e pode chegar a ser destrutivo, inclusive chega a autodestruição.
Não cometeu nenhum crime - não se encontra nas rúbricas "ansiedade de consciencia" nem em "ilusão de ser um criminoso". Porém tem a sensação de que ocorreu uma desgraça.
Quando me aprofundo nessa sensação, tenho a forte impressão de que é a lepra.Um leproso é uma pessoa que por uma má jogada do destino, chega a uma posição em que todos seus amigos lhe abandonam, lhe desprezam, perde o afeto dos amigos e isso não pode ser compensado.
Não é a única situação, porém Hura se sente como um leproso, se sente rejeitado e abandonado sem possibilidade de retorno. Este é o tema de Hura.
Hura foi provado e tirados os melhores sintomas precisamente em pessoas que no passado haviam padecido a lepra, e Hura é um conhecido remédio para a lepra.Não quer dizer que Hura tem que ser usada na lepra senão que a lepra deve ter sido uma das situações originais que engendraram  o estado de Hura.Poderiam existir outras situações similares. Por tanto, qualquer pessoa que em sua vida normal tenha essas sensações, ainda que não seja um leproso, necessita Hura.
http://homeopatiaahora.blogspot.com/























































































.



.

sexta-feira, 18 de setembro de 2009

O MITO DE SÍSIFO


Os deuses haviam condenado a Sísifo a erguer sem cessar uma pedra até em cima de uma montanha, de onde a pedra voltava a cair por seu próprio peso. Haviam pensado, com algum fundamento que não há castigo mais terrível que o trabalho inútil e sem esperança.
Se havemos de crer em Homero, Sísifo era o mais sábio e prudente dos mortais. Diferem as opiniões sobre os motivos que o levaram a converter-se no trabalhador inútil dos infernos. Diz-se que revelou os segredos dos deuses. Egina, filha de Asopo, foi raptada por Júpiter.O pai se queixou a Sísifo, o qual conhecendo o rapto, se ofereceu a informar sobre ele a Asopo com a condição de que desse água à cidadela de Corinto. Preferiu a graça da água aos raios celestiais. Por isso lhe castigaram enviando-o ao inferno. Homero também nos conta que Sísifo havia acorrentado a Morte. Plutão não pode suportar o espetáculo de seu império deserto e silencioso.Enviou o deus da guerra que liberou a morte das mãos de seu vencedor.
Diz-se também que Sísifo, quando estava por morrer, quis imprudentemente por a prova o amor de sua esposa. Ordenou-lhe que jogasse seu corpo insepulto em meio da praça pública. Sísifo se encontrou nos infernos e ali, irritado por uma desobediencia tão contrária ao amor humano, obteve de Plutão permissão para voltar a terra para castigar a sua esposa. Porém quando voltou a ver este mundo,e começou a gostar da água e do sol, das pedras cálidas e do mar, não quiz voltar a escuridão infernal. Os chamados, as iras e as advertencias não adiantaram. Viveu muitos anos mais ante a curva do golfo, o mar brilhante e os sorrisos da terra. Foi necessário um decreto dos deuses. Mercúrio desceu a terra e o levou a força aos infernos, onde já estava preparada a sua rocha.
Sísifo é o herói absurdo tanto por suas paixões como por seu tormento. Seu desprezo aos deuses, seu ódio a morte e sua paixão pela vida lhe custaram esse suplício de dedicar-se a não terminar nada.É o preço que tem que pagar pelas paixões desta terra. Com respeito a este mito, o que se ve, é todo o esforço de um corpo tenso para levantar a pedra enorme, faze-la subir uma descida cem vezes recorrida. Ao final de um longo esforço, alcança a meta. Sísifo ve então a pedra descendo em alguns instantes até o mundo inferior desde o qual voltará a ergue-la novamente até o alto, e ela cairá de novo no chão.

Sísifo me interessa durante esse regresso, essa pausa. Ele volta a descer com passo lento até o tormento cujo fim não conhecerá jamais.Esta é a hora da consciência, ele é superior a seu destino. É mais forte que sua rocha.
Se este mito é trágico, o é porque seu protagonista tem consciência. Em que consistiria seu castigo se a cada passo tivesse a esperança de conseguir seu propósito? Sísifo, proletário dos deuses, impotente e rebelde, conhece toda a magnitude de sua miserável condição: nela pensa durante sua descida. A clarividencia que devia constituir seu tormento, consuma ao mesmo tempo sua vitória. Não há destino que não se vença com o desprezo.Sísifo ensina a fidelidade superior que nega os deuses e levanta as rochas.Cada um dos grãos desta pedra, cada fragmento mineral desta montanha cheia de escuridão, forma por si só um mundo.O esforço para chegar no alto basta para encher um coração de homem.
Camus, Albert OBRAS,1- El mito de Sísifo - Alianza Editorial Madrid 1996.

sábado, 22 de agosto de 2009

Macaé - Gripe A: Dia D da campanha homeopática acontece neste sábado



A prefeitura de Macaé através da secretaria de Saúde e da coordenação de Saúde Coletiva, disponibiliza medicamento homeopático contra a Gripe A, neste sábado (22), a partir das 10h, em 13 pontos da cidade – é o Dia D da campanha de prevenção contra a nova doença. A homeopatia pode ser usada por pessoas de todas as idades. A prioridade é atender principalmente quem está enquadrado nos grupos de risco - gestantes, crianças e idosos, além de cardíacos e pessoas com problemas respiratórios.
Segundo o secretário de Saúde de Macaé, Eduardo Cardoso, o medicamento melhora a resistência do organismo. “Não é uma vacina para a gripe, são medicamentos homeopáticos que aumentam a imunidade. Desde que iniciamos a campanha, no último dia três de agosto, 50 mil pessoas tomaram a dose. A homeopatia é mais uma medida do governo municipal na luta para conter a gripe A”, ressaltou o secretário.]Além da homeopatia, a secretaria de Saúde adota outras medidas para conter o avanço Gripe A, como a qualificação dos profissionais de saúde com cursos e treinamentos, descentralização dos atendimentos e licença para as gestantes que atuam nas unidades de saúde, assim como o remanejamento das que atuam no atendimento ao público em todas as secretarias municipais. - O uso do medicamento não impede que as pessoas sejam infectadas pelo vírus da influenza A (H1N1). É preciso manter os cuidados de higiene e as recomendações para evitar o contágio, disse a coordenadora de Saúde Coletiva, Laila Nunes.Além dos postos fixos, a campanha terá quatro postos volantes ao longo do dia. A equipe do setor de homeopatia irá percorrer as unidades hospitalares como Hospital São João Batista e o Hospital Público Municipal (HPM), o Asilo e Lar São Francisco de Assis.

segunda-feira, 17 de agosto de 2009

[profissionaishomeopatas] Fw: artigo gripe A - Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia

Segue para análise artigo da dra Jussara Fiterman, presidente da Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia e professora da Faculdade de Medicina da PUC-RS.

Gripe A: podemos vencer juntos esta grande batalha
Nos consultórios, hospitais, rodas de amigos ou no trabalho, seja onde for, não se fala em outra coisa. A Gripe A também é manchete dos principais jornais e noticiários, há semanas, preocupando médicos, tirando o sono do governo e alarmando a população.
O clima de pânico, porém, em nada ajudará a vencer o vírus Influenza H1N1 Nossas maiores defesas são a informação e a calma.
Pneumologistas de todo o país, bem como outros especialistas e profissionais de saúde abriram suas agendas, ampliaram seus atendimentos em ambulatórios para ficarem à disposição da população, orientando, esclarecendo dúvidas e manejando os casos suspeitos. Todos têm de fazer a sua parte. Cabe ao cidadão manter-se bem informado sobre o assunto para poder seguir adequadamente as medidas preventivas recomendadas.
É fundamental seguir as principais recomendações que visam à redução da disseminação da doença. A transmissão pode ser direta, por meio das secreções das vias aéreas de pessoas contaminadas, expelidas ao tossir ou espirrar, ou indireta, pelo contato manual de superfícies ou objetos contaminados.
Por esta razão, é fundamental lavar as mãos com frequência, evitar levá-las às mucosas da boca, nariz ou olhos, utilizar lenço descartável ao tossir ou espirrar, não compartilhar copos, toalhas ou alimentos e evitar aglomerações e ambientes fechados.
A pessoa com síndrome gripal costuma apresentar febre alta persistente, tosse, dor de garganta, dor de cabeça, dores musculares, que podem vir acompanhados de sintomas digestivos como falta de apetite, náuseas, vômitos ou diarreia.
O uso de medicação deve ser feito com orientação médica. O controle da febre e boa hidratação são fundamentais. Remédios sem a correta indicação podem mascarar sintomas importantes, agravar doenças ou dificultar o diagnóstico.
A maioria dos casos são autolimitados, isto é, terão melhora clínica espontânea. O sinal de gravidade mais frequente é a falta de ar e pode representar uma evolução desfavorável da doença. Nesses casos, é importante buscar o atendimento médico com urgência para tratamento de possíveis complicações.
É importante manter a calma. Esta não é a primeira epidemia que o mundo assiste e infelizmente não será a última.
É possível que, com a proximidade da primavera e os dias mais quentes, ocorra uma redução dos casos da Gripe A (H1N1), mas é preciso que cada indivíduo cumpra o seu papel, seguindo as orientações de prevenção, protegendo-se e educando-se na promoção da saúde da comunidade.
Com certeza, ações conjuntas dos profissionais de saúde, governos e sociedade terão um impacto favorável no combate a esta epidemia.

* Jussara Fiterman é presidente da Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia e professora da Faculdade de Medicina da PUC-RS

domingo, 16 de agosto de 2009

Anis-estrelado - Ilicium verum - (base do Tamiflu)




A árvore do anis-estrelado faz lembrar o loureiro pelo seu belo porte e a magnólia por suas flores decorativas. Toda a planta exala um agradável aroma semelhante ao anis, ainda que mais intenso. Introduzida na Europa no século XVII, a China é o seu maior produtor. Os chineses o utilizam para temperar carnes e frutos do mar. Não é plantado comercialmente no Brasil, e é a base para o fármaco Tamiflu, atualmente utilizado para combater a gripe suína. Originário do Sul da China, é cultivado em zonas quentes e úmidas do continente americano. É uma árvore da família das Magnoliáceas, que atinge de 2 a 5 metros de altura. A sua casca é branca e as folhas perenes e lanceoladas.

Seus frutos têm a forma de estrela de 8 a 12 pontas e é de cor castanha. A essência do anis-estrelado, por conter anetol, tem efeitos tóxicos sobre o sistema nervoso, causando delírios e convulsões, quando tomado em doses elevadas. O anis-estrelado (Illicium verum ), não deve ser confundido com o anis (pimpinella anisum L.) apesar de conter o mesmo princípio ativo (anetol) tendo propriedades semelhantes àquela planta. É digestivo como o anis, porem é mais concentrado.

É carminativo e muito útil nos casos de digestões difíceis, fermentação intestinal e flatulência. Alivia os espasmos das visceras ocas (estômago, vesícula biliar, intestino, útero).

O anis-estrelado é também conhecido como anis-da-China, anis-do-Japão, anis-da-Sibéria, funcho-da-China. Em portugual: badiana, anis-estrelado; Espanha: anis estreliado, anis de estrella, anis de China; França: badiane, anis de la Chine; Inglaterra: star anise, Chinese anis.
http://saudepelasplantas.blogspot.com/2009/05/anis-estrelado-illicium-verum-base-do.html

terça-feira, 11 de agosto de 2009

H1N1 - INFORMAÇÕES

E-mail enviado pela Dra. Káthia Ribas:> >
Queridos amigos:>
Devo ter esquecido alguns, repassem tbm aos conhecidos.> > Tenho recebido perguntas e informações, as mais diversas das mais> diversas fontes, muitas delas alarmistas... e temos que ser realistas.> > Apesar de estar em férias, dediquei est última semana para uma> intensa participação e pesquisa junto à todas as entidades oficiais> competentes sobre o assunto, e não tenho motivos para achar que elas> estejam ocultando ou minorando a real dimensão do problema.> > Estive com o Secretário Estadual de Saúde, participei da reunião do> Ministério da Saúde, conversei com a s autoridades da Vigilãnica> Sanitária, SAMU e Secr Municipal de Saúde, além de epidemiologistas e> infectologistas.> > Não satisfeita, liguei para o CDC (Centro de Controle de Doenças em> Atlanta), onde trabalha uma colega minha de turma.> > A situação atual é a seguinte:> > O virus H1N1 já ultrapassou a barreira inicial, circula livremente> entre nós, veio para ficar. Nesta 1º onda do virus no Brasil,> calcula-se que 70.000.000 de brasileiros terão contato com ele até> final de setembro.> > Das atuais viroses respirat. presentes no sul do país, 60% já são do> novo virus, isto é, das pessoas com gripe que falamos ou que circulam> na rua, ônibus, bares, igrejas clubes, tec, mais da metade já tem o> novo virus... isto é uma projeção estatística , ou seja , não há mais> capacidade para se fazer exame de todos os suspeitos.> > A condução dos casos será como da gripe comum, e somente os casos> graves ou em grupos de risco haverá dispensação da medicação anti> viral.> > O virus H1 N1 tem maior transmissibilidade que o virus influenza ,> mas tem MENOR PATOGENICIDADE, OU SEJA MATA MENOS QUE A GRIPE COMUM...> acontece que ele tem tropismo por organismo com alguma brecha> imunológica que comprometa as defesas habituais, então ele pode ser> potencialmente mais agressivo em pacientes com: nutrição inadequada,> más condições de higiene, cardiopatas e pneumopatas cronicos,> asmáticos graves, renais crônicos, diabeticos, obesos mórbidos,> pessoas em tto com imunossupressores (corticoides, tto para câncer) e> doenças degenerativas.> > Em pessoas hígidas, dificilmente haverá complicação, e , volto e> frisar, a MORTALIDADE É MENOR QUE O VIRUS INFLUENZA.> > Em 2008, só no mes de julho, 4500 pessoas morreram de gripe comum no> Brasil. Estamos com 47 mortes pelo novo virus em 18 dias de> circulação...> > Temos que estar ALERTAS, isto sim, pois é um virus novo, pode sofrer> mutações, e ainda estamos aprendendo a conviver com ele.> > Por enquanto o importante é: boa alimentação, SUCOS DE FRUTAS, ÁGUA,> ÁGUA DE COCO, VERDURAS, AMBIENTES AREJADOS, HIGIENE ADEQUADA DE MÃOS E> VIAS AÉREAS, LAVAGEM DE MÃOS VÁRIAS VEZES AO DIA. ALCOOL PODE SER> USADO EM SUPERFICIES POTENCIALMENTE CONTAMINADAS (MESAS DE> CONSULTÓRIO, LOCAIS ONDE PESSOAS TENHAM ESPIRRADO, (mas sem maiores> neuras, por favor, teremos que conviver alguns meses com este virus,> como os tantos outros de gripe...)> > As Máscaras continuam recomendadas para quem está com quadro gripal,> em respeito aos outros, e em alguns serviços de Pronto Atendimento ,> para as equipes de Saúde... nada de sair pela rua e shoppings com> máscara e vidro de lacool gel na mão, precisamos de bom senso,> tranquilidade é pés no chão.> > Evitar locais fechados, aglomerações shoppings, cinemas, bares,> chimarrão e nerguille, pelo menos nos próximos 15 dias, enquanto o> virus está em "curva ascendente"...> > Depois, é vida normal. O anti viral - Tamiflu- só será> disponibiçizado pela SMS para os casos comprovadamente graves, não> tomem para qq gripe, pois aumenta a resistencia do bicho...> > Em 99,85% dos quadros de H1 N1 a evolução será ABSOLUTAMENTE BENIGNA,> ou seja, portados assintomático, sintomas leves ou moderados,> perfeitamente tratados com: cama e sintomáticos (repouso por 5 dias> está mais que suficiente).> > O afastamento das aulas é muito mais uma medida tranquilizadora para> os pais, enquanto as equipes das escolas são adequadamente preparadas> para receberem os estudantes e conviverem com a nova doença.> > As 2 gripes estão ai, os sintomas são idênticos, não há porque saber> se é gripe A ou influenza, a conduta será igual, e evoluirá geralmente> bem.> > Tivemos mortes, sim (porém 3 das mortes da semana passada acabaram se> confirmando como da influenza, e não da gripe A).> Alguns jovens saudáveis faleceram sim, mas na grande maioria , mesmo> nos jovens, havia algum fator basal predisponente: acompanhei 3 casos:> 1 criança do interior(desnutrida); 1 adulto com 33 anos (cirrose ) e 1> senhora de 54 anos (asmática grave).> > Portanto, amigos, muita cautela na tranmissão de informações: A CALMA> É FUNDAMENTAL, OS CUIDADOS GERAIS TAMBÉM. DEVEMOS ESTRA ALERTAS, MAS> TEMOS QUE SEGUIR A VIDA COM NORMALIDADE, PORQUE A GRIPE SAZONAL MATA> MUITO MAIS QUE ESTA E NUNCA TEVE ESTA DIMENSÃO DE ALARME.> > Evitem lotar os hospitais com casos leves, só em casos de febre = ou> > de 38ºC (este é o fator patognomônico!!), dor de garganta ou> dificuldade respiratória as pessoas deverão procurar os postos de> Saúde.> > Estamos conectados diariamente com a SMS, SESA e Central de Leitos,> qualquer alteração na condução dos casos ou orientações gerais, haverá> ampla divulgação> > Abç,> >
Káthia Ribas CRM 9448> Gerência do Instituto Curitiba de Saúde>

segunda-feira, 10 de agosto de 2009

Gripe A Tratamento Homeopático

Enviado por Érico Dorneles
Colegas: Em reunião na SGH um grupo de homeopatas gaúchos discutiu sobre a epidemiade gripe atualmente acontecendo no sul/sudeste do Brasil. Algumas conclusões: 1. O uso preventivo de Influenzinum 200C, 1 vez por semana: 2. No tratamento dos casos mais leves que começam com febre alta, súbitaintensa, com tosse seca e prostração, os medicamentos que tem sido usadossão Phosphorus, Arsenicum, Belladonna e Eupatorium perfoliatum. 3. Nos casos mais graves que evoluem rapidamente para insuficienciarespiratória aguda, os medicamentos indicados e estudados foram Hydrocianicacid e Crotalus horridus.
Gostariamos de ouvir a opinião dos colegas sobre este assunto. Abraços, Érico
http://br.mc552.mail.yahoo.com/mc/compose?to=profissionaishomeopatas%40yahoogrupos.com.br

HÁBITOS ALIMENTARES E CÂNCER

Muitos componentes da alimentação têm sido associados com o processo de desenvolvimento do câncer, principalmente câncer de mama, cólon (intestino grosso) reto, próstata, esôfago e estômago.
Alimentação de Risco
Alguns tipos de alimentos, se consumidos regularmente durante longos períodos de tempo, parecem fornecer o tipo de ambiente que uma célula cancerosa necessita para crescer, se multiplicar e se disseminar. Esses alimentos devem ser evitados ou ingeridos com moderação. Neste grupo estão incluídos os alimentos ricos em gorduras, tais como carnes vermelhas, frituras, molhos com maionese, leite integral e derivados, bacon, presuntos, salsichas, lingüiças, mortadelas, dentre outros.
Existem também os alimentos que contêm níveis significativos de agentes cancerígenos. Por exemplo, os nitritos e nitratos usados para conservar alguns tipos de alimentos, como picles, salsichas e outros embutidos e alguns tipos de enlatados, se transformam em nitrosaminas no estômago. As nitrosaminas, que têm ação carcinogênica potente, são responsáveis pelos altos índices de câncer de estômago observados em populações que consomem alimentos com estas características de forma abundante e freqüente.
Já os defumados e churrascos são impregnados pelo alcatrão proveniente da fumaça do carvão, o mesmo encontrado na fumaça do cigarro e que tem ação carcinogênica conhecida.
Os alimentos preservados em sal, como carne-de-sol, charque e peixes salgados, também estão relacionados ao desenvolvimento de câncer de estômago em regiões onde é comum o consumo desses alimentos.
O tipo de preparo do alimento também influencia no risco de câncer. Ao fritar, grelhar ou preparar carnes na brasa a temperaturas muito elevadas, podem ser criados compostos que aumentam o risco de câncer de estômago e coloretal. Por isso, métodos de cozimento que usam baixas temperaturas são escolhas mais saudáveis, como vapor, fervura, pochê, ensopado, guisado, cozido ou assado.
Estudos demonstram que uma alimentação pobre em fibras, com altos teores de gorduras e altos níveis calóricos (hambúrguer, batata frita, bacon etc.), está relacionada a um maior risco para o desenvolvimento de câncer de cólon e de reto, possivelmente porque, sem a ingestão de fibras, o ritmo intestinal desacelera, favorecendo uma exposição mais demorada da mucosa aos agentes cancerígenos encontrados no conteúdo intestinal. Em relação a cânceres de mama e próstata, a ingestão de gordura pode alterar os níveis de hormônio no sangue, aumentando o risco da doença.
Há vários estudos epidemiológicos que sugerem a associação de dieta rica em gordura, principalmente a saturada, com um maior risco de se desenvolver esses tipos de câncer em regiões desenvolvidas, principalmente em países do Ocidente, onde o consumo de alimentos ricos em gordura é alto. Já os cânceres de estômago e de esôfago ocorrem mais freqüentemente em alguns países do Oriente e em regiões pobres onde não há meios adequados de conservação dos alimentos (geladeira), o que torna comum o uso de picles, defumados e alimentos preservados em sal.
Atenção especial deve ser dada aos grãos e cereais. Se armazenados em locais inadequados e úmidos, esses alimentos podem ser contaminados pelo fungo Aspergillus flavus, o qual produz a aflatoxina, substância cancerígena. Essa toxina está relacionada ao desenvolvimento de câncer de fígado.
Como Prevenir-se
Algumas mudanças nos nossos hábitos alimentares podem nos ajudar a reduzir os riscos de desenvolvermos câncer. A adoção de uma alimentação saudável contribui não só para a prevenção do câncer, mas também de doenças cardíacas, obesidade e outras enfermidades crônicas como diabetes.
Desde a infância até a idade adulta, o ganho de peso e aumentos na circunferência da cintura devem ser evitados. O índice de massa corporal (IMC) do adulto (20 a 60 anos) deve estar entre 18,5 e 24,9 kg/m2. O IMC entre 25 e 29,9 indica sobrepeso. Com IMC acima de 30 a pessoa é considerada obesa. O IMC é calculado dividindo-se o peso (em kg) pela altura ao quadrado (em m). Veja a fórmula.
peso
IMC = ------------------
(altura x altura)
Frutas, verduras, legumes e cereais integrais contêm nutrientes, tais como vitaminas, fibras e outros compostos, que auxiliam as defesas naturais do corpo a destruírem os carcinógenos antes que eles causem sérios danos às células. Esses tipos de alimentos também podem bloquear ou reverter os estágios iniciais do processo de carcinogênese e, portanto, devem ser consumidos com freqüência.
Hoje já está estabelecido que uma alimentação rica nesses alimentos ajuda a diminuir o risco de câncer de pulmão, cólon, reto, estômago, boca, faringe e esôfago. Provavelmente, reduzem também o risco de câncer de mama, bexiga, laringe e pâncreas, e possivelmente o de ovário, endométrio, colo do útero, tireóide, fígado, próstata e rim.
As fibras, apesar de não serem digeridas pelo organismo, ajudam a regularizar o funcionamento do intestino, reduzindo o tempo de contato de substâncias cancerígenas com a parede do intestino grosso.
A tendência cada vez maior da ingestão de vitaminas em comprimidos não substitui uma boa alimentação. Os nutrientes protetores só funcionam quando consumidos através dos alimentos, o uso de vitaminas e outros nutrientes isolados na forma de suplementos não é recomendável para prevenção do câncer.
Vale a pena frisar que a alimentação saudável somente funcionará como fator protetor, quando adotada constantemente, no decorrer da vida. Neste aspecto devem ser valorizados e incentivados antigos hábitos alimentares do brasileiro, como o uso do arroz com feijão.
Como se Alimenta o Brasileiro
No Brasil, observa-se que os tipos de câncer que se relacionam aos hábitos alimentares estão entre as seis primeiras causas de mortalidade por câncer. O perfil de consumo de alimentos que contêm fatores de proteção está abaixo do recomendado em diversas regiões do país. A ingestão de fibras também é baixa no Brasil, onde se observa coincidentemente, uma significativa freqüência de câncer de cólon e reto. O consumo de gorduras é elevado nas regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste, onde ocorrem as maiores incidências de câncer de mama no país.
Entre os jovens é comum a preferência por alimentos como hambúrguer, cachorro-quente, batata frita que incluem a maioria dos fatores de risco alimentares acima relacionados e que praticamente não apresentam nenhum fator protetor. Essa tendência se observa não só nos hábitos alimentares das classes sociais mais abastadas, mas também nas menos favorecidas. Igualmente nesse grupo, o consumo de alimentos ricos em fatores de proteção, tais como frutas, verduras, legumes e cereais, é baixo.
http://www.inca.gov.br/conteudo_view.asp?ID=18

Perguntas e respostas sobre Influenza A (H1N1) - atualizadas em 16/07/2009

1. Existe transmissão sustentada do vírus da Influenza A (H1N1) no Brasil?
Desde 24 de abril, data do primeiro alerta dado pela OMS (Organização Mundial da Saúde) sobre o surgimento da nova doença, até o dia 15 de julho, o Ministério da Saúde só havia registrado casos no país de pessoas que tinham contraído a doença no exterior ou pego de quem esteve fora. No dia 16 de julho, o Ministério da Saúde recebeu a notificação do primeiro caso de transmissão da Influenza A (H1N1) no Brasil sem esse tipo de vínculo. Trata-se de paciente do Estado de São Paulo, que morreu no último dia 30 de junho. Esse caso nos dá a primeira evidência de que o novo vírus está em circulação em território nacional. Todas as estratégias que o MS deveria adotar numa situação como esta já foram tomadas há quase três semanas. O Brasil se antecipou. A atualização constante de nossas ações contra a nova gripe permitiu que, neste momento, toda a rede de saúde esteja integrada para manter e reforçar as medidas de atenção à população.

2. Qual a diferença entre a gripe comum e a Influenza A (H1N1)?
Elas são causadas por diferentes subtipos do vírus Influenza. Os sintomas são muito parecidos e se confundem: febre repentina, tosse, dor de cabeça, dores musculares, dores nas articulações e coriza. Por isso, não importa, neste momento, saber se o que se tem é gripe comum ou a nova gripe. A orientação é, ao ter alguns desses sintomas, procure seu médico ou vá a um posto de saúde. É importante frisar que, na gripe comum, a maioria dos casos apresenta quadro clínico leve e quase 100% evoluem para a cura. Isso também ocorre na nova gripe. Em ambos os casos, o total de pessoas que morrem após contraírem o vírus em todo o mundo é, em média, de 0,5%.

3. Quando eu devo procurar um médico?
Se você tiver sintomas como febre repentina, tosse, dor de cabeça, dores musculares, dores nas articulações e coriza, procure um médico ou um serviço de saúde, como já se faz com a gripe comum.

4. O que fazer em caso de surgimento de sintomas?
Qualquer pessoa que apresente sintomas de gripe deve procurar seu médico de confiança ou o serviço de saúde mais próximo, para receber o tratamento adequado. Nos casos de agravamento ou de pessoas que façam parte do grupo de risco, os pacientes serão encaminhados a um dos 68 hospitais de referência.

5. Por que o exame laboratorial parou de ser realizado em todos os casos suspeitos?
Essa mudança ocorreu porque um percentual significativo — mais de 70% — das amostras de casos suspeitos analisadas em laboratórios de referência, antes dessa mudança, não era da nova gripe, mas de outros vírus respiratórios. Com o aumento do número de casos no país, a prioridade do sistema público de saúde é detectar e tratar com a máxima agilidade os casos graves e evitar mortes.

6. Se o exame não é realizado em todas as pessoas, isso significa que o número de casos registrados será subnotificado?
É importante ficar claro que vários países estão adotando a mesma prática, por recomendação da Organização Mundial da Saúde. Vamos continuar a registrar o número de casos. Como já ocorre com surtos de gripe comum, vamos confirmar uma amostra de casos e todos os outros que tiverem os mesmos sintomas e no mesmo ambiente, seja em casa, na escola, no trabalho, na igreja ou no clube, serão confirmados por vínculo epidemiológico. Além disso, temos no Brasil 62 unidades de “Rede Sentinela” em todos os estados, com a função de monitorar a circulação do vírus influenza e ocorrência de surtos. Essa rede permite que as autoridades sanitárias monitorem a ocorrência de surtos devido ao vírus da gripe comum — e, agora, do novo vírus — por meio da coleta sistemática de amostras e envio aos laboratórios de referência. É importante ficar claro que, a partir de agora, o objetivo não é saber se todos os que têm gripe foram infectados por vírus da influenza sazonal ou pelo novo vírus. Com o aumento no número de casos, passamos agora a trabalhar com o diagnóstico coletivo, exceto para aqueles que podem desenvolver a forma grave da doença, seja gripe comum ou gripe A.

7. Quais os critérios de utilização para o Tamiflu?
Apenas os pacientes com agravamento do estado de saúde nas primeiras 48 horas, desde o início dos sintomas, e as pessoas com maior risco de apresentar quadro clínico grave serão medicados com o Tamiflu. Os demais terão os sintomas tratados, de acordo com indicação médica. O objetivo é evitar o uso desnecessário e uma possível resistência ao medicamento, assim como já foi registrado no Reino Unido, Japão e Hong Kong. É importante lembrar, também, que todas as pessoas que compõem o grupo de risco para complicações de influenza requerem avaliação e monitoramento clínico constante de seu médico, para indicação ou não de tratamento com o Tamiflu. Esse grupo de risco é composto por: idosos acima de 60 anos, crianças menores de dois anos, gestantes, pessoas com diabetes, doença cardíaca, pulmonar ou renal crônica, deficiência imunológica (como pacientes com câncer, em tratamento para AIDS), e também pessoas com doenças provocadas por alterações da hemoglobina, como anemia falciforme.

8. O medicamento está em falta?
Não. O Ministério da Saúde possui estoque suficiente de medicamento para tratamento dos casos indicados. Além de comprimidos para uso imediato, temos matéria-prima para produzir mais nove milhões de tratamentos.

9. Os hospitais estão preparados para atender pacientes com a Influenza A (H1N1)?
Atualmente, o Brasil possui 68 hospitais de referência para tratamento de pacientes graves infectados pelo novo vírus. Nestas unidades, existem 900 leitos com isolamento adequado para atender aos casos que necessitem de internação. Todos os outros hospitais estão preparados para receber pacientes com sintomas leves de gripe.

10. Como eu posso me prevenir da doença?
Alguns cuidados básicos de higiene podem ser tomados, como: lavar bem as mãos frequentemente com água e sabão, evitar tocar os olhos, boca e nariz após contato com superfícies, não compartilhar objetos de uso pessoal e cobrir a boca e o nariz com lenço descartável ao tossir ou espirrar.

http://portal.saude.gov.br/portal/saude/profissional/visualizar_texto.cfm?idtxt=31267